A CULTURA POPULAR NO PROCESSO DE TRABALHO DA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA

Autores

  • Cinthya Oliveira Floriano Universidade do Contestado

DOI:

https://doi.org/10.24302/agora.v16i2esp..89

Palavras-chave:

saúde, qualidade de vida

Resumo

O Programa Saúde da Família foi adotado pelo Ministério da Saúde desde 1994, como modelo substitutivo da rede básica tradicional, e se fundamenta em uma nova ética social e cultural, com vistas à promoção da saúde e da qualidade de vida dos indivíduos, famílias e comunidades. Dessa forma, o programa permite que questões como dificuldades financeiras e sociais que as famílias apresentam, riscos sociais de adoecer e morrer e potencialidades para enfrentá-los, valores, crenças, diferenças culturais ou educacionais, sejam desvendadas, facilitando a interferência por atores apropriados. Todas as famílias são portadoras da cultura da sociedade em que vivem e da cultura com a qual se identificam. Estilos de vida, valores, ideais, crenças e práticas estão impregnados em suas definições e são transmitidos de geração para geração, afetando o comportamento e, conseqüentemente, o estado de saúde da família. Neste sentido, a eficácia das ações de saúde depende do vinculo que a equipe tem com o usuário, sendo importante que a equipe estimule a participação dos sujeitos para a construção de autonomia, onde o sujeito fala, julga e deseja. As práticas baseadas nas diferenças e semelhanças entre culturas em relação à saúde, cuidado de saúde e doença, com consideração de valores, crenças e práticas do paciente, apresentam-se como uma nova forma de trabalho que deve ser desenvolvido pelo Programa Saúde da Família, pois permite a diversidade das ações e resolutividade dos problemas com o envolvimento e colaboração da comunidade, família e indivíduo.

Publicado

2012-04-11

Como Citar

Floriano, C. O. (2012). A CULTURA POPULAR NO PROCESSO DE TRABALHO DA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA. Ágora : Revista De divulgação científica, 16(2esp.), p. 25-30. https://doi.org/10.24302/agora.v16i2esp.89