A prisão em flagrante de delito por furto consumado à luz da teoria da inversão da posse

Autores

  • Eduardo Borges

DOI:

https://doi.org/10.24302/agora.v19i1.61

Palavras-chave:

Furto. Consumado. Flagrante.

Resumo

No decorrer da tradição jurídica surgiram várias teorias com a finalidade de delinear o momento da consumação do delito de furto, em especial a concretatio (basta tocar a coisa), a apprehensio rei (é o suficiente segurá-la), a amotio (exige-se a remoção de lugar), e a ablatio (a coisa é colocada no local a que se destinava, em segurança). Nesse contexto, abrolhou, em nossa cultura jurídica, a denominada “teoria da inversão da posse”. Para essa teoria a jurisprudência consagrou uma situação intermediária entre as duas últimas teorias (amotio e ablatio), entendendo-se consumado o furto quando o agente tem a posse da coisa almejada, ainda que apenas momentaneamente, podendo exercer sua livre disponibilidade. Assim, não se exige a posse tranquila do bem. Deste norte, o presente trabalho tem por meta observar, em nossas jurisprudências, as repercussões criadas diante da prisão em flagrante, ao admitir que o agente ativo deste delito possa ser detido em flagrante pelo crime em sua modalidade consumada.

Biografia do Autor

Eduardo Borges

Graduação em Direito pela Universidade do Contestado, Brasil(2013)

Publicado

2015-06-30

Como Citar

Borges, E. (2015). A prisão em flagrante de delito por furto consumado à luz da teoria da inversão da posse. Ágora : Revista De divulgação científica, 19(1), 114-131. https://doi.org/10.24302/agora.v19i1.61

Edição

Seção

Artigos