A PERCEPÇÃO DOS ADOLESCENTES RESIDENTES NO MUNICÍPIO DE ALTO BELA VISTA – S. C. SOBRE A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

Autores

  • Ariete Bittencourt Pinto Universidade do Contestado
  • Maiara Schwanke Universidade do Contestado

DOI:

https://doi.org/10.24302/agora.v16i2esp..106

Palavras-chave:

Adolescência. Gravidez precoce. Responsabilidade

Resumo

O presente estudo procurou investigar a percepção dos adolescentes residentes no município de Alto Bela Vista – SC sobre a gravidez na adolescência. Para tanto, a pesquisa foi de cunho qualitativo, buscando perceber e compreender a visão dos sujeitos acerca do objetivo investigado. Os sujeitos envolvidos foram dez adolescentes, alunas da rede estadual, estudantes da 5ª série do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semi-estruturadas, audiogravadas e posteriormente transcritas. Nos resultados obtidos evidenciou-se que o exercício da sexualidade está ocorrendo cada vez mais cedo na vida do ser humano e que este não se encontra preparado tanto fisicamente como psicologicamente. Outra questão que surgiu foi a dificuldade de diálogo entre pais e filhos impossibilitando a orientação adequada. Com relação às conseqüências da gravidez precoce, denotou-se que esta significa a interrupção da vida social, educacional, profissional e dos sonhos e projetos futuros. Concomitante exige-se uma maior responsabilidade da adolescente no que diz respeito às mudanças que ocorrem consigo mesma, com os cuidados que a gestação necessita e posteriormente com a criança. Acredita-se com isso, que a comunicação familiar precisa ocorrer também quando o assunto for sexualidade para que os jovens possam usufruir dos prazeres do período da adolescência com liberdade e responsabilidade.

Publicado

2012-04-11

Como Citar

Pinto, A. B., & Schwanke, M. (2012). A PERCEPÇÃO DOS ADOLESCENTES RESIDENTES NO MUNICÍPIO DE ALTO BELA VISTA – S. C. SOBRE A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA. Ágora : Revista De divulgação científica, 16(2esp.), p. 150-160. https://doi.org/10.24302/agora.v16i2esp.106