Conhecimento popular sobre plantas medicinais utilizadas no município de Mafra, SC, Brasil

Autores

  • Thais Humenhuk Universidade do Contestado
  • Daniela Regina Buch Leite Universidade do Contestado
  • Mário Fritsch Universidade do Contestado

DOI:

https://doi.org/10.24302/sma.v9i0.2466

Resumo

O conhecimento popular sobre plantas medicinais, apesar de ser bem disseminado no Brasil, está sendo perdido devido à globalização. Além disso, e apesar de apresentar vantagens, o uso de plantas de maneira errônea pode causar danos à saúde dos usuários. O presente estudo teve como objetivo apontar algumas plantas utilizadas no município e resgatar uma pequena parcela do conhecimento popular, comparando as informações do senso comum com o conhecimento científico sobre essas plantas. O levantamento etnobotânico ocorreu entre maio e junho de 2019, através de entrevistas semiestruturadas com a população do município de Mafra (SC). Após a coleta dos dados, foram realizadas buscas na literatura sobre as espécies mencionadas pelos entrevistados. Dos 22 entrevistados, foi observado a prevalência de entrevistados do sexo feminino (86,36 %). Além disso, a maior parte dos participantes possuem mais de 60 anos de idade (36,36%) e ensino fundamental incompleto (22,72%). A fonte principal do conhecimento popular sobre o uso das plantas foi transmitida pelos seus antepassados. Alguns informantes (18,18%) relataram o aparecimento de efeitos adversos com o uso de algumas espécies. Foram mencionadas 87 plantas distribuídas em 49 famílias, sendo as famílias dominantes Asteraceae (11,5%), Lamiaceae (10,3%). As plantas mais citadas foram: babosa (Aloe sp.), camomila (Chamomilla sp.), capim-limão (Cymbopogon sp.), gervão (Stachytarpheta sp.), hortelã (Mentha sp.) e penicilina (Alternanthera sp.). Com esses resultados, foi possível mapear o uso e levantar dados acerca de algumas plantas medicinais utilizadas pela população de Mafra e concluir que a maioria das espécies do uso popular apresentam a mesma indicação encontrada na literatura científica.

Palavras-Chave: Etnomedicina. Etnobotânica. Espécies terapêuticas. Medicina popular.

Biografia do Autor

Thais Humenhuk, Universidade do Contestado

Graduanda em Farmácia. Universidade do Contestado. Campus Mafra. Santa Catarina. Brasil.

Daniela Regina Buch Leite, Universidade do Contestado

Possui Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2017), Mestrado em Biologia Celular e Molecular pela Universidade Federal do Paraná (2012), Especialização em Acupuntura Tradicional Chinesa pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2010), Graduação em Farmácia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2007). Atualmente é Docente da Universidade do Contestado, Campus Mafra. É membro do Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva e Meio Ambiente (NUPESC/UnC). Membro do NDE do curso de Farmácia. Desenvolve pesquisa na área de Saúde Coletiva na UnC. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Bioquímica, Biologia Celular, Imunologia, Farmacognosia, Fitoterapia e Produtos Naturais.

Mário Fritsch, Universidade do Contestado

Mestre em Botânica pela Universidade Federal do Paraná. Docente da Universidade do Contestado, Campus Mafra. Santa Catarina. Brasil.

Publicado

2020-03-30

Como Citar

Humenhuk, T., Leite, D. R. B., & Fritsch, M. (2020). Conhecimento popular sobre plantas medicinais utilizadas no município de Mafra, SC, Brasil. Saúde E Meio Ambiente: Revista Interdisciplinar, 9, 27-42. https://doi.org/10.24302/sma.v9i0.2466

Edição

Seção

Artigos