Gerenciamento quantitativo de resíduos hospitalares

estudo de caso do município de Juiz de Fora/MG

  • Bruna Peatricy da Cunha Amengol Universidade Federal de Juiz de Fora. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental
  • Samuel Rodrigues Castro Universidade Federal de Juiz de Fora. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental

Resumo

A crescente geração dos Resíduos de Serviço de Saúde (RSS) ao longo dos anos tornou-se grande desafio para as gestões tanto pública quanto particular, em termos de sustentabilidade. Além da complexidade inerente ao tema, a falta de informação/capacitação ainda é bastante frequente. Devido aos riscos em potencial, o gerenciamento dos RSS faz-se obrigatório e necessário em estabelecimentos geradores. Nesse cenário, o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) surge como ferramenta essencial para uma gestão sustentável, visando o correto manejo, destinação e disposição adequada de tais resíduos. O presente estudo tem por objetivo apresentar uma análise quantitativa dos resíduos em um hospital de grande porte no município de Juiz de Fora – MG, correspondente aos anos de 2015 e 2016, considerando estudos gravimétricos e financeiros envolvidos em tal geração. Como resultado, verificou-se uma geração mensal de cerca de 52 toneladas de resíduos no estabelecimento, pertencentes às classes A, B, D e E, totalizando 3,30 kg/leito/dia. Verificou-se que a comercialização de resíduos recicláveis gera uma renda de R$43.500,00 com potencial de incremento com a melhoria de ações de segregação na fonte e consolidação do PGRSS. Por fim, destaca-se que a implantação e operacionalização do PGRSS, com a sensibilização e participação dos atores envolvidos, contribui para melhorias no manejo, destinação e disposição final adequada dos RSS, culminando em ganhos sociais, ambientais e econômicos.

Palavras-chave: Gerenciamento de resíduos. Resíduos de serviços de saúde. Análise quantitativa. Hospitais municipais. Planejamento hospitalar.

Biografia do Autor

Bruna Peatricy da Cunha Amengol, Universidade Federal de Juiz de Fora. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental

Mestranda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto, Graduada em Engenharia Ambiental e Sanitária pela Universidade Federal de Juiz de Fora e Técnica em Segurança do Trabalho pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IFET). Possui experiência em Resíduos Sólidos, Efluentes Industriais e Efluentes Domésticos, atuando principalmente em Tecnologias Ambientais visando aplicações na indústria mineral.

Samuel Rodrigues Castro, Universidade Federal de Juiz de Fora. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental

Possui doutorado pelo Programa de Pós Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Minas Gerais - PPG SMARH/UFMG (CAPES 7), atuando na linha de recuperação de nutrientes de efluentes líquidos via precipitação química de estruvita utilizando fontes reagentes alternativas. Bacharel em Química Industrial pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP (2007) e Mestre pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia Química da UFMG (2010). É Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Universidade Federal de Juiz de Fora atuando na área de planejamento, gestão e tratamento de resíduos sólidos e correlatas.

Publicado
2019-03-27
Como Citar
Amengol, B., & Castro, S. (2019). Gerenciamento quantitativo de resíduos hospitalares. Saúde E Meio Ambiente: Revista Interdisciplinar, 8, 58-72. https://doi.org/10.24302/sma.v8i0.1765
Edição
Seção
Artigos