Democracia em tempos sombrios

uma leitura crítica do liberalismo político de John Rawls na perspectiva filosófica de Giorgio Agamben

  • Isis Hochmann de Freitas PUCRS
  • Evandro Pontel PUCRS

Resumo

O presente artigo visa desenvolver uma análise acerca da proposição de John Rawls acerca de uma concepção política de justiça como equidade com o objetivo de fundamentar uma ideia de sociedade liberal bem ordenada a partir do pensamento de Giorgio Agamben. Desse modo, buscar-se-á apresentar uma leitura crítica ao liberalismo jurídico-político por reafirmar a exceção como regra. Essa constatação coloca em xeque a própria estrutura da proposta liberal, pois encobre a matriz oculta do poder soberano, a relação de exceção em seu caráter primigênio – que demarca o poder de vida e sobre a vida (nua). Dessa forma, pretende-se traçar algumas diferenciações entre ambas as propostas, ressaltando que o exercício de (re)pensar a política que vem coloca em questão os conceitos ainda vigentes na configuração da comunidade política ocidental que se pretende democrática, tais como: soberania, cidadania, direitos humanos, contrato social.

Palavras-chave: Rawls. Liberalismo. Agamben. Vida nua. Política que vem.

Biografia do Autor

Isis Hochmann de Freitas, PUCRS

Docente e Pesquisadora. Doutoranda em Ciências Sociais e em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS. Bolsista CAPES. Mestre em Ciências Criminais pela Escola de Direito da PUCRS.

Evandro Pontel, PUCRS

Pós-Doutorando, Doutor e Mestre em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS. Bolsista CAPES/CNPq.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
Freitas, I., & Pontel, E. (2019). Democracia em tempos sombrios. Profanações, 6, 25-50. https://doi.org/10.24302/prof.v6i0.1911
Edição
Seção
Artigos