Com erva-mate não se faz só chimarrão! Situação atual e perspectivas de inovação no setor ervateiro do Planalto Norte Catarinense

Autores

  • Valdir Roque Dallabrida Universidade do Contestado
  • Caroline Ianoski Dumke Universidade do Contestado.
  • Simone Molz Universidade do Contestado.
  • Valéria Furini Universidade do Contestado.
  • Maria Bertilia Oss Giacomelli Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.24302/drd.v6i2.1225

Palavras-chave:

Erva-Mate. Inovação. Desenvolvimento Territorial. Planalto Norte Catarinense.

Resumo

Entre as diferentes acepções atribuídas à inovação, uma delas é sua compreensão como a capacidade empresarial de introduzir novos produtos no mercado. Partindo dessa compreensão, é possível conjeturar que a diversidade e quantidade de produtos com que um setor produtivo opera, pode ser tomada como um indicador de inovação. Tomando o exemplo da erva-mate, a variedade de produtos que atualmente utilizam essa matéria-prima, se aproxima a uma centena, o que representa avanços inovacionais, considerando que até pouco tempo seu uso se restringia à produção da erva-mate para chimarrão. No Planalto Norte Catarinense, região que historicamente se destacou na produção de erva-mate, estão instaladas dezenas de empresas do setor, sendo que, em mais de 70% delas, a erva-mate para chimarrão é o único produto. Essa constatação motivou uma investigação no setor, com o fim de avaliar as condições efetivas de inovação, e seus desafios, considerando avanços sobre novos usos da erva-mate e novos produtos com que o mercado mundial opera atualmente. O estudo compreendeu consulta em sites de empresas brasileiras e mundiais, com o intuito de reconhecer a variedade de produtos que utilizam a erva-mate como matéria-prima, além da realização de uma pesquisa de campo, numa amostra de empresas da região. O estudo evidenciou a reduzida diversidade de produtos com que operam e seu baixo nível de inovação. Tal realidade aponta para a necessidade de avanços no setor ervateiro regional, exigindo ações não apenas do setor empresarial, mas das instituições de pesquisa e extensão instaladas na região.

Biografia do Autor

Valdir Roque Dallabrida, Universidade do Contestado

Geógrafo, Doutor em Desenvolvimento Regional, com atuação no Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado.

Caroline Ianoski Dumke, Universidade do Contestado.

Graduanda em Administração, com projeto de Iniciação Científica na Universidade do Contestado.

Simone Molz, Universidade do Contestado.

Doutora em Farmácia, com atuação no curso de graduação em Farmácia da Universidade do Contestado.

Valéria Furini, Universidade do Contestado.

Farmacêutica, mestranda em Desenvolvimento Regional na Universidade do Contestado.

Maria Bertilia Oss Giacomelli, Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina

Doutora em Química, professora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina, Campus Canoinhas (SC).

Publicado

2016-07-22

Como Citar

Dallabrida, V. R., Dumke, C. I., Molz, S., Furini, V., & Giacomelli, M. B. O. (2016). Com erva-mate não se faz só chimarrão! Situação atual e perspectivas de inovação no setor ervateiro do Planalto Norte Catarinense. DRd - Desenvolvimento Regional Em Debate, 6(2), 247-273. https://doi.org/10.24302/drd.v6i2.1225